terça-feira, abril 03, 2007

A Lámina

A lámina como
um violino
se afia no mar.

Quilómetros de
vida nos separam
da infância.

Gume cruel
não mais
lá poder voltar!

2 comentários:

Fernando disse...

Singelo na forma, profundo no conteúdo.
Voltarei a passar por cá.
Parabéns
Fernando Peixoto

joaquim disse...

Elogio a mais para o poema.
Obrigado Fernando e volta sempre.